Brasão

Senado Federal

Secretaria-Geral da Mesa

Secretaria de Informação Legislativa



MEDIDA PROVISÓRIA N° 2.145, DE 2 DE MAIO DE 2001

Cria as Agências de Desenvolvimento da Amazônia e do Nordeste, extingue a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM e a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste SUDENE, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da. atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

CAPITULO I

DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA

Seção I

Do Plano de Desenvolvimento da Amazônia

Art. 1º O Plano de Desenvolvimento da Amazônia será plurianual e obedecerá às diretrizes gerais da política de desenvolvimento regional.

Art. 2º Para efeito desta Medida Provisória, a Amazônia abrange os Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e a parcela do Estado do Maranhão que se situa a Oeste do Meridiano 44º de Longitude Oeste.

Seção II

Do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia

Art. 2º Fica criado o Fundo de Desenvolvimento dá Amazônia, de natureza contábil, a ser gerido pela Agência de Desenvolvimento da Amazônia ADA com a finalidade de assegurar recursos para a realização de investimentos na Amazônia, nos termos desta Medida Provisória.

Parágrafo único. O Poder Executivo disporá sobre a aplicação dos recursos, observado que a aplicação de parcela equivalente a dez por cento dos recursos de que tratam os §§ 2º e 3º do art. 4º ficará condicionada a contrapartida, de igual montante, de Estados e Municípios.

Art. 4º Constituem recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia:

I dotações orçamentárias à .conta de recursos do Tesouro Nacional;

II eventuais resultados de aplicações financeiras dos seus recursos;

III produto da alienação de valores mobiliários e dividendos de ações a ele vinculados; e

IV outros recursos previstos em lei.

§ 1º No exercício de 2001, a alocação dos recursos de que trata o inciso I do caput será de R$ 308.000.000,00 (trezentos e oito milhões de reais).

§ 2º No exercício de 2002, a alocação dos recursos de que trata o inciso I do caput será de R$. 440.000.000,00 (quatrocentos e quarenta milhões de reais).

§ 3º A partir de 2003 e até o exercício de 2013, a alocação anual de recursos do Tesouro Nacional para o Fundo de Desenvolvimento da Amazônia será equivalente ao valor da dotação referida no § 2º, atualizado pela variação acumulada da receita corrente líquida da União, na forma do regulamento.

§ 4º As disponibilidades financeiras fundo de Desenvolvimento da Amazônia ficarão depositadas na Conta Única do Tesouro Nacional.

Art. 5º São dedutíveis do repasse dos recursos de que trata o inciso I do caput do art. 4º as parcelas equivalentes às opções de incentivo fiscal, relativas ao Imposto de Renda de Pessoa Jurídica, exercidas pelas empresas, bem com as quais quer comprometimentos de recursos decorrentes de, opções de incentivos fiscais no âmbito do Fundo de Investimentos da Amazônia FINAM.

Parágrafo único. Observado o disposto no caput, os recursos financeiros de que tratam os §§ 2° e do art. 4° serão repassados integralmente ao Fundo de Desenvolvimento da Amazônia, na forma de duodécimos mensais.

Art. 6º O Fundo de Desenvolvimento da Amazônia terá como agentes operadores o Banco da Amazônia S.A e outras instituições financeiras oficiais federais, a serem definidas em ato do Poder Executivo, que terão, dentre outras, as seguintes competências:

I fiscalizar e atestar a regularidade dos projetos sob sua condução; e

II propor a liberação de recursos financeiros para os projetos autorizados pela ADA.

Parágrafo único. O Poder Executivo disporá sobre a remuneração do agente, operador.

Art. 7º A participação do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia nos projetos de investimento será limitada a um percentual do valor das inversões totais previstas para a implantação de projeto, conforme dispuser o regulamento. Ì

Parágrafo único. A participação referida no caput representada por debêntures conversíveis em ações, cujo exercício pela ADA fica limitado a cinqüenta cento da participação.

Seção III

Do Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento da Amazônia

Art. 8º O Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia passa denominarse Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento a Amazônia e integrará a estrutura do Ministério da Integração Nacional.

Art. 9º Ao Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento da Amazônia compete:

I – aprovar o Plano de Desenvolvimento da Amazônia e o Plano de Financiamento Plurianual.

II – estabelecer diretrizes e prioridades para o financiamento do desenvolvimento regional.

III – supervisionar a execução do Plano de Desenvolvimento da Amazônia e o cumprimento, das diretrizes referidas no inciso II; e

IV – aprovar o contrato de! gestão da entidade responsável pela implementação do Plano de Desenvolvimento da Amazônia.

Art. 10. O Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento da Amazônia reunirseá, ordinariamente, uma vez a cada semestre, e, extraordinariamente, na forma do regulamento.

Seção IV

Da Agência de Desenvolvimento da Amazônia

Art. 11. Fica criada a Agência de Desenvolvimento da Amazônia ADA, de natureza autárquica, vinculada ao Ministério dá Integrarão Nacional, com o objetivo de implementar políticas e viabilizar instrumentos de desenvolvimento da Amazônia.

§ 1º A ADA tem sede e foro na cidade de Belém, Estado do Pará.

§ 2º A área de atuação dá, ADA é a definida no art. 2º desta Medida Provisória.

Art.12. A ADA será dirigida em regime de colegiado por uma diretoria é composta de um DiretorCeral e três Diretores.

§ 1º A organização básica e as competências das unidades serão estabelecidas em ato do Poder Executivo.

§ 2º Integrarão a estrutura da ADA uma Procuradoria-Geral e uma AuditoriaGeral.

Art. 13. O DiretorGeral e os demais Diretores serão nomeados pelo Presidente da República, sendo pelo menos um deles escolhido dentre servidores públicos federais.

§ 1º Os Diretores serão nomeados após aprovação pelo Senado Federal, nos termos da alínea "f' do inciso III do art. 52 da Constituição.

§ 2º O regulamento disporá sobre a forma de substituição dos Diretores em seus impedimentos.

Art. 14. Fica impedida de exercer cargo de direção da ADA a pessoa que, nos doze meses anteriores à data de sua indicação, tenha mantido qualquer um dos seguintes vínculos com empresa que tenha projeto a ela submetido ou por ela aprovado:

I – participação direta como acionista ou sócio, com interesse superior a cinco por cento do capital social;

II – administrador, gerente ou membro de conselho de administração ou fiscal; ou

III – empregado, ainda que com contrato de trabalho suspenso.

Art. 15. São competências da ADA:

I – propor e coordenar a implantação do Plano de Desenvolvimento .da Amazônia, sob supervisão dó Ministério da Integração Nacional;

II – gerir o Fundo de Desenvolvimento da Amazônia;

III – aprovar projetos a serem executados no âmbito do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia;

IV autorizar contratação e liberar recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia, mediante proposição do agente operador;

V – auditar e avaliar os resultados da aplicação dos recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia;

VI – implementar estudos é pesquisas destinados à identificação de potencialidades e vulnerabilidades sócioeconômicas e ambientais e propor estratégias e ações compatíveis com o espaço regional;

VII – fortalecer as estruturas produtivas da região, a partir dá mobilização do seu potencial;

VIII promover ações voltadas ao desenvolvimento social na região;

IX estruturar e implementar redes de informações em apoio às atividades produtivas;

X promover a cooperação técnica, tecnológica e financeira com organismos nacionais ou internacionais, voltada à integração e ao desenvolvimento regional;

XI elaborar estudos de viabilidade de projetos de integração e de desenvolvimento regional;

XII implementar programas de ca p acitação gerencial, de formação e qualificação de recursos humanos adequados ao mercado regional;

XIII realizar estudos de ordenamento e gestão territoriais e avaliar impactos das ações de integração e de desenvolvimento na região, especialmente do ponto de vista ambiental; e

XIV verificar a adequabilidade dos projetos à política de desenvolvimento regional.

Art. 16. Compete à Diretoria Colegiada:

I exercer a administração da ADA;

II editar normas sobre matérias de competência da ADA;

III aprovar o regimento interno da ADA;

IV cumprir e fazer cumprir as diretrizes e propostas aprovadas pelo Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento da Amazônia;

V verificar a compatibilidade 'dos projetos com o Plano de Desenvolvimento da Amazônia e com as ditretrizes e prioridades estabelecidas pelo Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento da Amazônia;

VI aprovar e autorizar a contratação de projetos a serem executados com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia;

VII encaminhara proposta de orçamento da ADA ao Ministério da Integração Nacional;

VIII encaminhar os relatórios de gestão e os demonstrativos contábeis da ADA aos órgãos competentes;

IX autorizar. a divulgação de relatórios sobre as atividades da ADA;

X decidir pela venda, cessão ou aluguel de bens integrantes do patrimônio da ADA;  XI notificar e aplicar as sanções previstas na legislação; e

XI – notificar e aplicar as sanções previstas na legislação; e

XII conhecer e julgar pedidos de reconsideração de decisões de membros da Diretoria.

§ 1º A Diretoria Colegiada reunirseá com a presença de, pelo menos, três Diretores, dentre eles o DiretorGeral, e de

liberará por maioria simples de votos.

§ 2º As descisões relacionadas com as competências institucionais da ADA serão tomadas pela Diretoria Colegiada.

Art. 17. Compete ao Diretor – Geral da ADA:

I – exercer a sua representação legal:

II presidir as reuniões da Diretoria Colegiada;

III cumprir e fazer cumprir as decisões da Diretoria Colegiada;

IV decidir, ad referendum da Diretoria Colegiada, as questões de urgência;

V decidir, em caso de empate, nas deliberações da Diretoria Colegiada; VI prover os cargos em comissão e as funções de confiança;

VI - nomear e exonerar servidores; .

VII – prover os cargos em comissão e as funções de confiança;

VIII admitir empregados e requisitar e demitir empregados e servidores;

IX aprovar editais de licitação e homologar adjudicações;

X encaminhar ao Ministério da Integração Nacional a proposta de orçamento da ADA;

XI autorizar a contratação de serviços de terceiros, na formada legislação, específica; e.

XII assinar contratos, acordos e convênios, previamente aprovados pela Diretoria Colegiada; e

XIII - ordenar despesas e praticar os atos de gestão necessários ao alcance dos objetivos da ADA

Art. 18. Constituem receitas da ADA:

I dotações orçamentárias consignadas no Orçamento Geral da União;

II transferências do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia, equivalente a dois por cento do valor de cada liberação de recursos, a título de remuneração pela gestão daquele Fundo; e

III quaisquer outras receitas não especificadas nos incisos I e II.

Art. 19. A administração da ADA será regida .por contrato de gestão, firmado pelo Ministro de Estado da Integração Nacional e pelo Diretor-Geral, previamente aprovado pelo Conselho. Deliberativo para o Desenvolvimento da Amazônia.

Parágrafo único. O contrato de gestão estabelecerá os parâmetros para, a administração interna da ADA, bem assim os indicadores que permitam avaliar, objetivamente, a sua atuação administrativa e o seu desempenho.

Art. 20. O descumprimento injustificado do contrato de gestão poderá implicar a exoneração do DiretorGeral,  pelo Presidente da República; mediante solicitação do Ministro de Estado da Integração Nacional.

CAPÍTULO II

DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE

Seção I

Do Plano de Desenvolvimento do Nordeste

Art. 21. O Plano de Desenvolvimento do Nordeste será plurianual e obedecerá às diretrizes gerais da política de desenvolvimento regional.

Art. 22. Para efeito desta Medida Provisória, o Nordeste abrange os Estados do Maranhão, Ceará, Piauí, rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.

Seção II

Do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste

Art. 23. Fica criado o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, de natureza contábil, a ser gerido pela Agência de Desenvolvimento do Nordeste –ADENE, com a finalidade de assegurar recursos para a realização de investimentos no Nordeste, nos termos desta Medida Provisória.

Parágrafo único. O Poder Executivo disporá sobre a aplicação dos recursos, observado que:

I no mínimo três por cento serão destinados a projetos localizados no Estado do Espírito Santo; e

II a aplicação de parcela equivalente a dez por cento dos recursos de que tratam os §§ 2° e 3º do art. 24 ficará condicionada a contrapartida, de igual montante, de Estados e Municípios.

Art. 24. Constituem recursos do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste:

I dotações orçamentarias à conta de recursos do Tesouro Nacional;

II eventuais resultados de aplicações financeiras dos seus recursos;

III produto da alienação de valores mobiliários e dividendos de ações a ele vinculados; e

IV outros recursos previstos em lei.

§ 1º No. exercício de 2001, a alocação dos recursos de que trata o inciso I do caput será de R$ 462.000.000;00 (quatrocentos e sessenta e dois milhões de reais).

§ 2° No exercício de 2002, a aloje ao dos recursos de que trata o inciso I do caput será de R$. 660.0:000,00 (seiscentos e sessenta milhões de reais).

§ 3° A partir de 2003 e até o exercício de 2013, a alocação anual de recursos do Tesouro. Nacional para o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste será equivalente ao valor da dotação referida no § 2º, atualizado pela variação acumulada da receita corrente líquida da União, na forma do regulamento.

§ 4° As disponibilidades financeiras do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste ficarão depositadas na Conta única do Tesouro Nacional.

Art. 25. São dedutíveis do repasse dos recursos de .que trata o inciso I do caput do art. 24, as parcelas equivalentes às opções de incentivo fiscal, relativas ao Imposto de Rena de Pessoa Jurídica, exercidas pelas empresas, bem como quaisquer comprometimentos de recursos decorrentes de opções de incentivos fiscais no âmbito do Fundo de Investimentos do Nordeste FINOR.

Parágrafo único. Observado o disposto no caput, os recursos financeiros de que tratam os §§ 2º e 3º do art. 24 serão repassados integralmente ao Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, na forma de duodécimos mensais.

Art. 26 O Fundo de. Desenvolvimento do Nordeste terá como agentes operadores o Banco do Nordeste do Brasil S.A. e outras instituições financeiras oficiais federais, a serem definidas em ato do Poder Executivo, que terão; dentre outras, as seguintes competências:

I fiscalizar e atestar a regularidade dos projetos sob sua condução; e

II propor a liberação de recursos financeiros para os projetos autorizados pela ADENE.

Parágrafo único: O Poder Executivo disporá sobre a remuneração do agente operador.

Art. 27. A participação do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste nos projetos de investimento será limitada a um percentual do valor das inversões totais previstas para a implantação de projeto, conforme dispuser o regulamento.

Parágrafo único. A participação referida no caput será representada por debêntures conversíveis em ações, cujo exercício pela ADENE fica limitado a cinqüenta por cento ,a participação.

Seção III

Do Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento do Nordeste

Art. 28. O Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste passa a denominarse Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento do Nordeste e integrará a estrutura do Ministério da Integração Nacional.

Art. 29. Ao Conselho Deliberativo, para o Desenvolvimento do Nordeste compete:

I. aprovar o Plano de Desenvolvimento do Nordeste e o Plano de Financiamento Plurianual;

II estabelecer diretrizes e prioridades para o financiamento do desenvolvimento regional;

III supervisionar a execução do Plano de Desenvolvimento do Nordeste e o cumprimento das diretrizes referidas no inciso II; e

IV – aprovar o contrato de gestão da entidade responsável pela implementação do Plano de Desenvolvimento do Nordeste:

Art. 30. O Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento do Nordeste, reunirseá, ordinariamente, uma vez a cada semestre, e, extraordinariamente, na forma do regulamento.

Seção IV

Da Agência de Desenvolvimento do Nordeste

Art. 31. Fica criada a Agência de Desenvolvimento do Nordeste ADENE; de natureza autárquica, vinculada ao Ministério da Integração Nacional, com o objetivo de implementar políticas e viabilizar instrumentos de desenvolvimento do Nordeste.

§ 1º A ADENE tem sede e foro na cidade do Recife, Estado de Pernambuco.

§ 2° A área de atuação da ADENE é a compreendida pelos Estados da Região Nordeste, pelo Estado do Espírito Santo e pelas regiões e Municípios do Estado de Minas Gerais de que tratarei as Leis n° s 1.348, de 10 de fevereiro de 1951, 6.218, de 7 de julho de 1975, e 9.690, de 15 de julho de 1998.

Art. 32 A ADENE será dirigida em regime de colegiado por uma diretoria composta de um DiretorGeral e três Diretores.

§ 1° A organização básica e as competências das unidades serão estabelecidas em ato do Poder Executivo.

§ 2° Integrarão a estrutura da ADENE uma Procuradoria-Geral e uma AuditoriaGeral.

Art. 33. O DiretorGeral e os demais Diretores serão nomeados pelo Presidente da República, sendo pelo menos um deles escolhido dentre servidores públicos federais:

§ I° Os Diretores serão nomeados após aprovação pelo Senado Federal, nos termos da alínea "f" do inciso II. do art. 52 da Constituição.

§ 2° O regulamento disporá sobre a forma de substituição dos Diretores em seus impedimentos.

Art. 34. Fica impedida de exercer cargo de direção da ADENE a pessoa que, nos doze meses anteriores à data de sua indicação, tenha mantido qualquer um dos seguintes vínculos com empresa que tenha projeto a ela submetido ou por ela aprovado:

I participação direta como acionista ou sócio, com interesse superior a cinco por cento do capital social;

II administrador, gerente ou membro de conselho de administração ou fiscal ou;

III – empregado, ainda que com contrato de trabalho suspenso.

"Art. 35. São competências da ADENE:

I propor e coordenar a implantação do Plano de Desenvolvimento do Nordeste, sob supervisão do Ministério da Integração Nacional;

II gerir o Fundo de Desenvolvimento do Nordeste;

III – aprovar projetos a serem, executados no âmbito do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste;

IV autorizar contratação e liberar recursos do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, mediante proposição do agente operador;

V auditar e avaliar os resultados da aplicação dos recursos do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste;

VI implementar estudos e pesquisas, destinados à identificação de potencialidades e vulnerabilidades sócioeconômicas e ambientais e propor estratégias e ações compatíveis com o espaço regional;

VII fortalecer as estruturas produtivas da região, partir da mobilização do seu potencial;

VIII promover ações voltadas ao desenvolvimento social na região;

IX estruturar E implementar redes de informações em apoio, às atividades produtivas;

X – promover a cooperação técnica, tecnológica uca e financeira com organismos nacionais ou internacionais, votada à integração é ao desenvolvimento regional;

XI elaborar estudos de viabilidade de projetos de integração e de desenvolvimento regional;

XII implementar programas de  capacitação gerencial, de formação e qualificação de recursos humanos adequados ao mercado regional;

XIII realizar estudos de ordenamento e gestão territoriais e avaliar impactos das ações de integração e de desenvolvimento na região; especialmente do ponto de, vista ambiental; e

XIV verificar a adequabilidade dos projetos à política de desenvolvimento regional.

Art. 36. Compete a Diretoria Colegiada:

I exercer a administração da ADENE;

II editar normas sobre matérias de competência da ADENE;

III aprovar o regimento interno da ADENE;

IV cumprir e fazer cumprir as diretrizes e propostas aprovadas pelo Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento do Nordeste;

V verificar a compatibilidade dos projetos com o Plano de Desenvolvimento do Nordeste e com as diretrizes e. prioridades estabelecidas pelo Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento do Nordeste;

VI aprovar e autorizar a contratação de projetos a serem executados com recursos do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste;

VII encaminhar a proposta de orçamento da ADENE ao Ministério da Integração Nacional;

VIII encaminhar os relatórios de gestão e os demonstrativos contábeis da. ADENE aos órgãos competentes;

IX autorizar a divulgação de relatórios sobre as atividades da ADENE;

X decidir pela venda cessão ou aluguel de bens integrantes do patrimônio da ADENE;

XI notificar e aplicar as sanções previstas na legislação; e

XII conhecer e julgar pedidos de reconsideração de decisões de membros da Diretoria.

§ 1° A Diretoria Colegiada reunirseá com a presença de, pelo menos, três Diretores, dentre eles o DiretorGeral, e de

liberará por maioria simples de votos.

§ 2º As decisões relacionadas com as competências institucionais da ADENE serão tomadas pela Diretoria Colegiada.

Art. 37. Compete ao DiretorGeral da ADENE:

I exercer a sua representação legal;

II – presidir as reuniões da Diretoria Colegiada;

III - cumprir e fazer cumprir as decisões da Diretoria Colegiada;

IV – decidir, ad referedum da Diretoria Colegiada, as questões de urgência;

V – nomear e exonerar servidores;

VI – prover os cargos em comissão e as funções de confiança;

VII – decidir, em caso de empate, nas deliberações da Diretoria Colegiada;

VIII – admitir empregados e requisitar e demitir empregados e servidores ;

IX – aprovar editais de licitação e homologar a adjudicações;

X – encaminhar ao Ministério da Integração Nacional a proposta de orçamento da ADENE;

XI – autorizar a contratação de serviços de terceiros, na forma de legislação específica; e

XII – assinar contratos, acordos e convênios, ordenar despesas e praticar os atos de gestão necessários ao alcance dos objetivos da ADENE.

Art. 38. constituem receitas da ADENE:

I dotações orçamentarias consignadas no Orçamento Geral da União;

II transferência do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste, equivalente a dois por cento do valor de cada liberação de recursos, a título de remuneração pela gestão daquele Fundo; e

III quaisquer outras receitas não especificadas nos incisos I e II.

Art. 39. A administração da ADENE será regida por contrato de gestão; firmado pelo Ministro de Estado, da Integração Nacional e pelo Diretor-Geral, previamente aprovado. pelo Conselho Deliberativo para o Desenvolvimento do Nordeste.

Parágrafo único. O contrato de gestão estabelecerá os parâmetros para a administração interna da ADENE, bem assim os indicadores que permitam avaliar, objetivamente, a sua atuação administrativa e o ,seu desempenho.

Art. 40. O descumprimento injustificado do contrato de gestão dera implicar a exoneração do DiretorGeral, pelo Presidente da República, mediante solicitação do Ministro de Estado da Integração Nacional.

CAPÍTULO III

DAS DISPOSIÇÕES ,FINAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 41. Ficam extintas a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM e a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste -SUDENE.

§ 1º Observado o disposto nos arts. 9º, 15, 29 e 35, as competências atribuídas pela legislação à SUDAM e à SUDENE e aos seus. respectivos Conselhos Deliberativos ficam transferidas para a União.

§ 2º A União sucederá a SUDAM e a SUDENE nos seus direitos e obrigações.

§ 3° Ficam transferidas para a União, por intermédio do, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a responsabilidade pela administração e pagamento de inativos e pensionistas da SUDAM e da SUDENE.

§ 4º Os quadros de servidores, os cargos em comissão e as funções gratificadas da SUDAM e da SUDENE ficam transferidos para o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

§ 5º Compete ao Ministério da Integração Nacional:

I a análise, a aprovação e as demais providências relativas à prestação de contas decorrentes dos convênios ou instrumentos similares firmados pela SUDAM e pela SUDENE;

II a administração dos projetos em andamento na SUDAM e na SUDENE, relacionados com os .respectivos Fundos de Investimento;

III – o inventário e a administração dos bens e direitos da SUDAM e da SUDENE; e

IV o exercício das demais atribuições legais da SUDAM, da SUDENE e dos respectivos Conselhos Deliberativos.

Art. 42. A instalação da ADA e da ADENE e o início do exercício de suas competências darseão a partir da publicação das respectivas estruturas, regimentais em atos do Presidente da República.

Parágrafo único. Enquanto não instaladas a ADA e a ADENE, a União exercerá as competências estabelecidas nos arts. 15 e 35 desta Medida Provisória.

Art. 43. A ADA e a ADENE poderão requisitar, com ônus; servidores é empregados de órgãos e entidades integrantes da Administração Pública Federal.

Parágrafo único. Durante os primeiros vinte e quatro meses subseqüentes à sua instalação, a ADA e a ADENE poderão complementar a remuneração do servidor ou empregado público requisitado, até o limite da remuneração do cargo efetivo ou emprego permanente ocupado no órgão ou na entidade de origem, quando a requisição implicar redução dessa remuneração.

Art. 44. A AdvocaciaGeral da União representará a ADA e a ADENE nos processos judiciais, em que estas forem parte ou interessada, até a implantação de suas respectivas ProcuradoriasGerais.

Art. 45. O Ministério da Integração Nacional e a AdvocaciaGeral da União promoverão, no prazo máximo de cento e vinte, dias, levantamento dos processos, judiciais em curso, em que a SUDAM e a SUDENE figurem como parte:

Art.. 46. Fica o Poder Executivo autorizado a remanejar, transpor, transferir ou utilizar as dotações orçamentarias aprovadas na Lei n.º 10.171, de 5 de janeiro de 2001, consignadas à SUDAM e à SUDENE, relativas à despesa referida no § 3° do art. 41 desta Medida Provisória, bem como àquelas relativas ao pagamento de benefícios aos servidores e encargos sociais correspondentes, para o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, mantida a mesma classificação orçamentária, expressa por categoria de, programação em seu menor nível, observado o disposto no § 2° do art. 3 da Lei n° 9.995, de 25 de Julho de 2000, assim como o respectivo detalhamento por esfera orçamentária, grupos de despesa, fontes de recursos, modalidades de aplicação e identificadores de uso.

Art. 47. Fica o Poder Executivo autorizado a remanejar, transpor, transferir ou utilizar as dotações orçamentárias aprovadas na Lei n.º 10.171, de 2001, consignadas à SUDAM é à SUDENE; para Ministério .da Integração. Nacional,. para a ADA e para a ADENE, mantida a mesma classificação orçamentária, expressa por categoria de programação em seu menor nível, observado o disposto no § 2º do art. 3º da Lei n.º 9.995, de 2000, assim como o respectivo detalhamento por esfera orçamentária, grupos de despesa, fontes de recursos, modalidades de aplicação e identificadores de uso.

Art. 48. Enquanto não dispuser de qualificação técnica para análise de viabilidade econômicofinanceira de projetos e avaliação de risco dos tomadores, a ADA e á ADENE firmarão convênio ou contrato com. entidades federais detentoras de reconhecida experiência naquelas matérias.

Parágrafo único. Ato do Chefe. do Poder Executivo reconhecerá; por proposta do Ministro de Estado da Integração Nacional, a qualificação das Agências para o exercício da competência a que se refere o caput.

Art. 49. Os beneficiários de projetos aprovados e em implantação, desde que atendidas as condições específicas de cada Fundo ou linha de financiamento, poderão optar pela sistemática:

I de investimento do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia e do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste; ou

II de financiamento dos Fundos Constitucionais do Norte e Nordeste ou de outras linhas de financiamento a cargo de instituições financeiras federais.

Parágrafo único. As programações orçamentárias anuais dos Fundos de que trata o inciso II contemplarão dotações destinadas ao, atendimento do disposto neste artigo.

Art. 50. Ficam revogados:

I o art. 34 da Lei n.º 3.995, de 14 de dezembro de 1961;

II os arts. 19 a 23 da Lei n.º 4.239, de 27 de junho de 1963;

III os arts. 17 a 24 da Lei n.º 4.869, de, 12 de dezembro de 1965;

IV a alínea "b" e os §§.1º a 15 do art. 7º da Lei n.º 5.174, de 27 de outubro de 1966;

V os arts. 38 a 43 da Lei n.º 5.508, de 11 de outubro de 1968;

VI os §§ 1º e 7º do art. 1º; os arts. 2°, 4°, 5º, 15 é 16 do DecretoLei n.º 756; de 11 de agosto de 1969;

VII os arts. 1 °, 2º, 4° 5º e 6º do DecretoLei n.º 880, de 18 de setembro de 1969;

VIII o art. 1º do DecretoLei n.º 1.267, de 12 de abril de 1973;

IX . o Decreto-Lei n.º 1.345, de 19 de setembro de 1974;

X as alíneas "a", "b" e "g" do parágrafo único do art. 1°, a alínea "a" do inciso I e o inciso V dá art. 11 do DecretoLei  nº 1.376, de 12 de dezembro de 1974;

XI o Decreto  Lei n.º1.653, de 27 de dezembro de 1978;

XII os arts. 1° e 3° do DecretoLei n° 1.734, de 20 de dezembro de 1979;

XIII o art. 1" do DecretoLei n.º 2.089, de 27 de dezembro de 1983;

XIV o DecretoLei n.º 2.250, de 26 de fevereiro de 1985;

XV a Lei n.º 7.918, de 7 de dezembro de 1987;

XVI o inciso III do art. 12 do DecretoLei n.º 2.397, de 21 de dezembro de 1987;

XVII a alínea "a" do inciso IV do art. Iº da Lei n° 8.034, de 12 de abril de 1990;

XVIII o inciso I do art 1º da Lei n.º 8.167, de 16 de abril de 1991;

XIX o § 1º do art. 2º da Lei n° 9.532, de 10 de dezembro de 1997; e

XX o art. 18 da Lei n.º4.239, de 27 de junho de 1963, e a alínea "h" do art. 1º do DecretoLei' n° 756; de 11 de agosto de 1969, ressalvado o direito previsto no art. 9° da Lei n.º 8.167, de 16 de janeiro de 1991; para as pessoas que já o tenham exercido, até o final do prazo previsto para a implantação de seus projetos, desde que estejam em situação de regularidade, cumpridos todos os requisitos previstos e os cronogramas aprovados.

Art. 51. Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 2 de maio de 2001; 180º da Independência e 113°da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Pedro Malan,

Martus  Tavares

Fernando Bezerra.